Aprenda 4 passos básicos para fazer um plano de marketing para sua empresa

Se você leu este título acima e já ficou todo perdido, não esquente a cabeça. Você não é obrigado a saber os termos de marketing, que, no fundo, são estratégias criadas para ajudar as empresas no setor de vendas. Há muita gente que possui ótimas sacadas de marketing mesmo sem nunca ter estudado o tema a fundo. Basta usar o transporte público, principalmente nas grandes cidades, que você verá ótimos exemplos.

Tecnicamente, dizemos que o marketing é uma ferramenta estratégica utilizada para direcionar as ações de promoção, dar visibilidade e fortalecer a marca (nome da sua empresa) e, consequentemente, melhorar os resultados do seu negócio. Na prática, o vendedor que passa gritando no trem: “3 pilhas por apenas R$ 1”, está anunciando uma oportunidade, mais conhecida como promoção, e que, geralmente, chama a nossa atenção. E este é justamente um dos papéis do marketing, atrair o cliente.

Mas você me pergunta: “E o tal do plano de marketing citado no título?” Parece que agora vai complicar, não é mesmo? Mas não vai, não. Um plano de marketing nada mais é do que um documento no qual você fará o planejamento de todas as ações que pretende colocar em prática neste setor.

É importante que elas sejam baseadas em informações colhidas sobre o perfil do cliente e dos concorrentes, no cenário atual do mercado, no orçamento e nas metas e objetivos, que podem ser, por exemplo, o aumento das vendas, ampliação do número de clientes e fidelização, deixar a marca mais conhecida, lançar um novo produto, etc.

Como fazer um plano de marketing?

Antes de mais nada, o primeiro passo é definir os objetivos e as metas que deseja alcançar. Para isso, é imprescindível avaliar o momento do mercado do produto ou do serviço que será promovido. Por exemplo, em meio à pandemia do novo coronavírus, obviamente, cresceu astronomicamente a procura por álcool em gel e máscaras de proteção, mas a concorrência também aumentou. Este é um tipo de avaliação de mercado.

Nessa hora, é importante fazer uma análise honesta do setor, listar os pontos fortes e fracos do seu negócio e definir quanto você tem disponível para investir. Não adianta criar metas muito ousadas, baseadas apenas no otimismo. Além da frustração, ficará impossível avaliar com clareza quais ações funcionaram e trouxeram melhores resultados.

Também não é recomendado contar com um dinheiro que você ainda não sabe se vai ganhar, pois isso pode comprometer a durabilidade das ações. O planejamento sempre poderá ser revisto e, se houver mais verba, é possível acrescentar o valor sem prejudicar a saúde financeira do plano inicial.

Aprenda a definir o público-alvo

O público-alvo, como o próprio nome diz, são as pessoas nas quais você irá direcionar a sua estratégia. Afinal, é preciso saber para quem se vai falar quando se envia uma mensagem, não é mesmo? Conhecer seus clientes, saber suas preferências, hábitos de consumo e estilo de vida são medidas imprescindíveis para construir um texto assertivo e atraente.

Não se esqueça também que as necessidades dos seus clientes podem mudar de tempos em tempos, por isso é preciso sempre rever se seu serviço ou produto está realmente atendendo às expectativas do seu público. Isso permite fazer ajustes ou inserir outras ações que de fato atendam o que o seu cliente precisa.

Uma boa forma de conhecê-lo é criar perfis, que no marketing e na publicidade são chamados de personas. Eles são criados baseados nas informações dos seus clientes, com nome (fictício), idade, objetivos de carreira, classe social, necessidades e hábitos de compra bem definidos. Muitas vezes, são utilizadas até fotos para melhorar a representação do perfil. E isso vai ajudá-lo a identificar com mais clareza o seu público e, assim, direcionar melhor as ações. Afinal, fica muito mais difícil tentar vender um trator para quem vive na cidade e não tem nenhuma relação com o campo, não é mesmo?

De olho na concorrência

Saiba quem atua no mesmo nicho que você, ou melhor, quem concorre pelo mesmo público. É importante fazer as mesmas perguntas que você faz para o seu negócio. Por exemplo, quais são seus diferenciais; pontos fortes e fracos; atuação no mercado; estratégias para chegar ao cliente, etc. Observe e aprenda com os erros deles e conheça os seus acertos. Essas informações vão ajudá-lo a buscar formas de tornar sua empresa mais competitiva.

Defina um cronograma

Por último, coloque prazos para a execução das ações. Todo o seu planejamento deverá estar bem definido, com uma visão clara do que vem primeiro e do que será feito em seguida. O cronograma é uma medida indispensável, inclusive, para analisar os resultados. Ele permite registrar quando a ação foi feita, por quanto tempo, quantas pessoas foram atingidas e quanto foi gasto. Estas são informações valiosas para avaliar os retornos e se os recursos foram aplicados de forma eficiente.